O Muriqui

O gênero Brachyteles (PRIMATES, Spix, 1823) compreende duas espécies: Muriqui-do-sul (Brachyteles arachnoides, PRIMATES, E. Geoffroy, 1806) e, Muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus, PRIMATES, Kuhl, 1820). O status da espécie tem classificação como “em perigo” e “criticamente em perigo” de extinção, respectivamente (Baillie et al. 2004). São considerados os maiores macacos neotropicais e podem ser encontrados do sul da Bahia ao norte do Paraná.

macaco muriqui

Muriqui-do-norte (B. hypoxanthus) Kuhl, 1820 e Muriqui-do-sul (B. arachnoides) E. Geoffroy, 1806.

DISTRIBUIÇÃO

Brachyteles arachnoides E. Geoffroy, 1806

MURIQUI-do-SUL

É endêmico da Floresta Tropical Atlântica e matas semi-decíduas adjacentes do sudeste do Brasil, são encontrados nos estados de São Paulo, sul do Rio de Janeiro e nordeste do Paraná.   Também conhecido como “Pacífico da Cara Preta“.

Parque Estadual Carlos Botelho – PECB, Serra de Paranapiacaba, região sudeste do estado de São Paulo.

Brachyteles hypoxanthus Kuhl, 1820

MURIQUI-do-NORTE

São encontrados em Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia. Exceto as matas da baixada do extremo sul da Bahia e norte do Espírito Santo.

RPPN Feliciano Abdala, sede da Estação Biológica de Caratinga – EBC, no estado de Minas Gerais.